quinta-feira, 7 de outubro de 2010

tv com os olhos, e t lamber com a testa


affff! quem me dera, se ouvesse liberdade ao menos dentro d minha caixola. + não. não há!
pois meus desejos, vão totalmente contra meus principios. sendo assim, desejo a corrupsão do mundo.+ em mui, minha consiencia me reprime!

Q dizer ao mundo.
Q mi-nhalma ,deseja pegar tudo, q meus olhos veem.
Q meus pés desejam correr rumo a luxuria.
Q minhas mãos desejam cometer a torpesa d tocar onde é proibido.
Q meu paladar deseja provar, o doce paladar, q há noutros lábios.
Q meu corpo, deseja sassiar a furia da fome, noutro corpo.

Q minha-alma. há minha-alma! 100 culpas, permitice levar a pagar duma vida desrregra...+ sabendo ela, q o salário do pecado é morte! Prende este podre corpo, com grilhões d aço!

Q dizer desta eterna guerra, entre a carne do corpo, VRS, alma!

Q dizer, se os outros(AS), recebem em seus corpos, a paga duma vida desregrada! Recebem, a falsa censação d praser do adulterio! O risco é mui bão! Comer o fruto, no quintal alheio, é formidavel! Trapaciar, enganar, furatar, maquinar, saquiar a honra, e a vida alheia, é mui prazeroso.

Afinal!
A parte alhaeia, é dificil d+ dá conta!
Ralar, cuidar do lar, duma esposa(O). Esta, é a parte dificil!

Facil!
É eu pegar emprestado, por algumas hrs da semana, pra meu uso pessoal, o corpo duma casada(O), só pra saciar a fome, e cometer a torpesa dos atos absurdos, q só os adulteros cometem!


Q diser, diante deste dilema?!
Ainda sim, este corpo, deseja este absurdo.
Provar o doce, azedo, do corpo duma adultera.
Pois ele tem plena convicção, q nem as prostituas fazem,
Oq as(AS)adulteras(OS)fazem.

É saborosamente, saboroso saber, q oq ela (E) faz comigo!
Não fez, não faz, e jamais fará com o companheiro(A).
esta é a valiosa paga, q meu corpo receberia,em teu corpo,
Se ficasse contigo, hó nobre doce amiga!

por + q meu corpo deseje receber a paga da luxuria, em teu corpo.
quem sou eu, pra contrariar minha-ma!


MISERÁVEL HOMEM Q SOU.
QUEM ME LIVRARÁ DESTA MORTE?!