domingo, 17 de outubro de 2010

tempestade do acaso


Rasgo diante de ti,
Não somente minhas vestes,
Mais dilacero meu peito!
Perante ti abro meu coração.

Eis que andei nas trevas do dia claro,
E estive na amargura da noite fria...
Onde o sol não esquentava,
E a lua não clareava...

Vivi na tempestade,
Em meio a raios e trovões...
Onde não avia horizonte,
E a vista não ia alem da morte...

Hoje estou no barco do destino,
Navegando calmamente rumo,
Ao acaso do futuro...
Sem chorar, nem lamentar,
Sigo firme, em meu barquinho.

2 comentários:

  1. Acaso, talvez!!! As vezes passamos por algo que não deveriamos passar, as vezes passamos por que provocamos, as vezes só acontece por que tem que acontecer, mas o fato é que tudo o que vivemos ou simplismente nos acontece, faz com creçamos e aprendemos com esse crescimento e temos então experiencias para compartilhar e quem sabe assim poder ajudar alguém...
    Sendo assim tudo o que passamos de bom ou ruim tem um propósito, ainda no tal momento não faça sentido.
    Não sei se fui muito clara, mas acho que me entendeu, afinal também tenho momentos de loucuras...rsrsrs
    Um abraço!!!

    ResponderExcluir
  2. rsrsr! quede este tal momento, seu d louca?
    tú és clara como neve!

    espero q vc tenha rasão gata!
    afianl!
    sofrer por nada é + duido ainda! rsrsrsrsrskkkk
    tem q servirr pelomenos pra alguma coisa d útil!

    + creio em tudo em q a vossa senhorita dissestes!

    afinal!
    num tem jeito, né!
    vóz micê, caba dandu 1 jetim d me desvendar!
    rsrrs
    bjos gata!

    ResponderExcluir